Aulas de Dança do Ventre em Brasilia

Shimes

     

Shime: conhecido popularmente como “tremido”.  O shime é um dos movimentos mais importantes desta dança porque dele derivarão inúmeros outros movimentos.  A origem do nome shime vêm dos Estados Unidos.  Refere-se ao momento em que a lua ou o sol refletem sobre a água, causando um efeito trêmulo.  Esse efeito que em inglês chamamos de “shimmering” deu origem ao nome deste passo.

    

  • Shime de quadril ou simplesmente Shime: com os joelhos levemente flexionados e o corpo relaxado, as pernas fazem um movimento alternado e contínuo de flexão e alongamento, como se empurrando o chão, fazendo que o movimento que aparenta um tremido aconteça nos quadris. A aceleração e a continuidade do movimento das pernas fazem o movimento acontecer, de forma relaxada.
  • Shime egípcio : com o mesmo conceito do Shime de quadril, a diferença consiste em estender as pernas completamente e relaxá-las, além de possibilitar os calcanhares acompanharem o movimento das pernas, batendo no chão. Com isso, alcança-se uma velocidade maior no efeito final do movimento.
  •  Shime de tensão: através da contração dos músculos da(s) perna(s) e glúteo(s), a musculatura proporciona um espécie de tremido corporal. Adicionado o movimento bem pequeno das pernas juntas para trás repetidas vezes, causando um efeito similar ao do shime de quadril, este shime tem amplitude menor com mais velocidade e característica de tensão.
  • Shime simples: ao desacelerar o shime de quadril, o movimento se transforma em simples, resultando num movimento de elevação do quadril, ao alongar a perna, alternando um para cima e o outro para baixo, dentro do eixo central, podendo ou não conter a ajuda das musculaturas abdominais. Simultaneamente, os joelhos irão trabalhar na mesma técnica anterior, empurrando o chão para que o quadril funcione.

                          sime simples

 

  • Shime duplo: com o mesmo conceito do shime simples, a diferença, como o nome já diz, é o número de batidas. No duplo, serão executadas duas batidas para o mesmo lado. A primeira batida é efetuada dentro do eixo, como no shime simples. Ao relaxar, a segunda batida será feita com um mínimo deslocamento do eixo. Popularmente é conhecido também como shime em L, porque ele sobe, desce e escorrega para o lado, como a letra “L”. Porém, esta nomenclatura é mais apropriada para o Shime Tahia Karioca.
  • Shime frente/trás: com o mesmo conceito do shime de quadril, este movimento mantém um shime constante, enquanto uma perna fica como base e pivot e a outra com o quadril livre, apoia-se na frente do corpo e imediatamente depois, atrás.
  • Shime simples frente/trás: com o mesmo conceito do Shime frente/trás, possui ao invés de um shime constante, apenas uma batida simples na frente e outra atrás.
  •    Shime duplo frente/trás: com o mesmo conceito do Shime frente/trás, possui ao invés de um shime constante, duas batidas na frente e sucessivamente outras duas atrás.

 

  • Shime simples e shime duplo diagonais: o mesmo conceito dos shimes simples e duplo, porém o quadril não trabalha de forma lateral, mas com uma torção (em twist), fazendo que o movimento aconteça na diagonal e não na lateral.
  • Shime triangular: uma combinação de movimentos que poderia ser dividida entre: um shime simples inicial, um twist e uma finalização com uma queda do quadril contrário na frente. Este movimento possui 3 tempos que unidos provocam um movimento de shime, que horizontalmente desenha um triângulo.

shime triangular - Copy

  • Shime pélvico: conhecido popularmente como shime “encaixe e desencaixe” além de apelidos como “cachorrinho” entre outros. Em posição oriental ou 1ª posição é a contração pélvica acelerada, repetida vezes . É também uma variação do Shime Mona Said (vide 02.1). Sua variação mais conhecida e usada é a em 4ª posição, quando na perna da frente o quadril relaxa e quando na base de trás, encaixa. O movimento do shime acontece no intervalo de ambas as trocas de base.
  • Tchutchu Shime: também chamado de Shime courru ou Shime em Pas courru por suas características técnicas, recebeu este nome dos EUA e acabou sendo adotado assim também lá. Faz referência ao barulho e movimento de um trenzinho (tchúú tchúú). Por ser um shime executado na meia ponta, aonde com o auxílio das pernas e da ponta dos pés batendo alternados e muito rapidamente contra o solo, se consegue deslocar rapidamente pelo espaço durante sua execução.
  •  Shime abdominal: com a respiração presa, o diafragma trabalha em pequenas e rápidas contrações, fazendo com que uma espécie de tremido aconteça no abdômen.
  • Shime de ombro: similar ao shime de busto, neste movimento são os ombros que são projetados para frente e para trás, em torção, de forma contínua.
  • Shime de busto: com a força motriz na região torácica, o tronco faz uma pequena, ritmada e constante torção, fazendo com que uma espécie de tremido aconteça no busto

        Observação: Movimentos combinados É muito comum a utilização do Shime combinado simultaneamente com outros movimentos ou em posições, como o arabesque. Nestes casos, utilizasse a junção dos nomes. Ex.: Camelo com shime, Oito maia com shime, Redondo com shime, Shime em arabesque, etc…

Fonte: Glossário da Dança do Ventre, por Bailarina Suheil

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>