Dança do VentreDestaquesGlossário da Dança do Ventre

2 – Movimentos enérgicos rotativos, de contração e membros superiores.

 Rotativos:

  • Twist: um dos movimentos mais tradicionais da dança do ventre e muito usado em diversas formas de movimentação. Usando a coluna como eixo central e os joelhos relaxados, o quadril rotacional horizontalmente para frente e para trás. Também pode ser usado em forma de deslocamento espacial. Não têm semelhança com o ritmo e dança twist encontrados na dança de salão, pois o movimento não vêm dos pés, mas sim dos quadris. Obs.: os joelhos devem trabalhar como amortecedores. Ao se deslocar não permita que a perna da frente chute para o lado, prejudicando a patela.
  • ½ Twist : twist realizado pela metade, quando apenas um lado do quadril rotaciona e para.
  • Twist duplo: o mesmo movimento do twist, porém com duas batidas de quadril na horizontal, antes de rotacionar para o outro lado.
  •  Elevação: o mesmo princípio da elevação reta, porém executada em rotação (twist), termina com o quadril elevado.

elevacao

  • Queda: relaxamento dos oblíquos, fazendo o quadril naturalmente retornar da elevação reta ou com rotação, para a posição plana.

DSC_7197

  • Passo Básico: também considerado um dos passos mais tradicionais desta dança. Com os pés paralelos, uma perna fica como base enquanto a outra vai para a posição oriental, rotacionando o quadril em elevação e voltando em queda novamente para a base. Este movimento pode ser feito parado ou com deslocamento espacial. O movimento é realizado no acento musical, quando o quadril se eleva e o pé toca o chão simultaneamente. Muito utilizado nas danças folclóricas.

passo basico

  • Básico egípcio: um dos passos mais tradicionais desta dança. Tecnicamente este movimento é composto por uma elevação com duas quedas. Na posição oriental, o quadril que trabalha é o oposto da base. Elevação, queda de quadril com a perna alongando (desenhando um risco), que reverbera em outra elevação e mais uma queda novamente apoiando a ponta do pé no chão (como um ponto), voltando para a posição oriental.
  • Básico egípcio lateral: o mesmo princípio do passo básico egípcio, porém com a perna em 2ª posição e os joelhos paralelos, a pontuação é feita na lateral e amplia o movimento de quadril.
  • Básico egípcio en dedans: o mesmo básico egípcio, porém simultaneamente ao movimento, o corpo faz um giro dentro do eixo, cada vez que recolhe a perna. Como este giro é para o sentido de dentro do corpo, é chamado de en dedans.
  • Básico egípcio en dehors: o mesmo básico egípcio, porém simultaneamente ao movimento, o corpo faz um giro dentro do eixo, cada vez que estica a perna. Como este giro é para o sentido de fora do corpo, é chamado de en dehors.
  • Básico egípcio invertido: o mesmo conceito do Básico egípcio, porém seu inverso no que se refere ao trabalho de pernas. Quando o quadril sobe a perna alonga, pontuando o chão na sequência, na queda.
  • Básico egípcio folclórico: o mesmo conceito do Básico egípcio, aqui recebe uma característica mais popular, típica dos passos folclóricos. Após a elevação, a Queda é feita ligeiramente `a frente do corpo (4ª posição) e com o pé em planta. Realiza-se junto um plié que fornece impulso para na volta do quadril, quando a perna estica, o movimento ficar bem forte e acentuado.
  • Ondulação Faridah: a perna que está na posição oriental vai para trás servir de base, levando junto com ela o quadril. A que era base balança num contratempo na frente do corpo com um pequeno twist e volta. Este é o movimento das pernas. Ao sair da posição oriental e levar o quadril para trás, acontecerá uma troca de base. Enquanto isso, simultaneamente, o tronco realiza uma ondulação, similar ao camelo (vide movimentos ondulatórios). Este passo recebe este nome em homenagem `a bailarina Farida Fahmi. Também é conhecido como “Passo Básico com acento em baixo”.

De contração:

Conceito:

Break: a tradução desta palavra significa quebrar, partir, interromper. Pode-se usar esta terminologia para diversos movimentos que se decida interromper ou mesmo dividir em partes utilizando-se o recurso da contração muscular. Ex.: twist, elevação reta e até mesmo em shimes. Também utilizado após a nomenclatura de qualquer movimento sinuoso quando se deseja transformá-lo em movimento enérgico. Ex.: camelo quebrado, círculo quebrado, oito maia quebrado, etc…

  • Break de busto: quando um movimento no busto é interrompido com uma contração no diafragma. Popularmente conhecido como “passo do soluço”.
  •  Break de tronco: quando um movimento no tronco é interrompido. Exemplo: a interrupção brusca de um cambré lateral, por uma contração, fazendo o movimento retornar para onde veio.

 

  •  Break de quadril: quando um movimento de quadril é interrompido, ou dividido em partes menores em sua execução, utilizando-se da técnica de contração dos glúteos. Em sua versão que divide o espaço do movimento de quadril de forma vertical, é popularmente conhecido como “Tranquinho”.
  •  Contração pélvica egípcia: o mesmo princípio da contração pélvica (vide movimentos laterais) porém com uma torção que faz com que o movimento aconteça para a diagonal.
  • Twist egípcio: uma variação mais completa do twist tradicional. Inicia-se com um meio círculo horizontal en dehors apoiando na base, depois um twist e por fim uma contração pélvica. A junção deste três movimentos consecutivos, em dois tempos apenas, gera este movimento.

Membros superiores:

  •  Deslocamento lateral e circular de pescoço: movimentar a cabeça horizontalmente para os lados, sem girar, com o uso do pescoço. Ao unir frente, lado, trás e lado, terá o movimento circularmente, de forma horizontal.
  •  Deslocamentos laterais de tronco: movimentar o tronco horizontalmente de um lado para outro.
  •  Batidas de ombro: movimentar os ombros para cima e para baixo, juntos ou separadamente, com batidas ritmadas. Muito usado nas danças folclóricas.
  •  Batida de busto: aplicando força no acento musical, o busto movimenta-se para cima (expandindo a região abdominal) e para baixo (contração abdominal), para as laterais ou em diagonais como numa letra V. Pode-se também praticar diversas divisões espaciais utilizando breaks.

Fonte: Glossário da Dança do Ventre, por Bailarina Suheil

Postagens Relacionadas
ArtigosDança BrasileiraDança CiganaDança no MundoDestaquesVárias

Dança Cigana Brasileira

ArtigosDança do VentreDestaquesVárias

Flexibilidade na dança!

DestaquesVentre Brasil

Projeto Ventre Brasil

Dança do VentreDançaterapia e Sagrado FemininoGlossário da Dança do Ventre

2 - Nomenclatura, trabalho terapêutico: A Dança Oriental

Inscreva-se e receba as novidades de Cursos, Conteúdos e Workshops

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *