Aulas de Dança do Ventre em Brasilia

1- Movimentos ondulatórios (ou sinuosos) de quadril

Conceito:

Movimentos ondulatórios são aqueles que podemos classificar como movimentos sinuosos. Sua energia é de introspecção. Transmitir sensações. Estes passos, que também compõem a estrutura da dança do ventre, são utilizados nos momentos musicais mais tranquilos e lentos. Com o desenvolver de seu conhecimento, você poderá utilizá-los também em combinação com passos enérgicos, criando apuradas leituras musicais.

Movimentos de Quadril:

Conceito:

Oito: também considerado passo fundamental desta modalidade de dança, o Oito ou Oito do infinito é representado por este símbolo: ∞. Os diversos Oitos existentes partem do princípio de se desenhar esta figura com os quadris.

 

  •  Oito Maia: visualizando o símbolo na altura do umbigo, em posição vertical (como o símbolo) o meio do oito é exatamente o centro do corpo  (umbigo). O desenho da figura é feito na extensão do quadril, de um lado para outro, no sentido de cima para baixo, sem permitir deslocamento no sentido horizontal. Popularmente conhecido também como Oito para baixo.

oito maia

 

  • Oito Egípcio: exatamente o mesmo conceito do Oito Maia, visualizando o símbolo na altura do umbigo, em posição vertical, a diferença consiste em que o quadril irá movimentar-se de baixo para cima, sem permitir deslocamento no sentido horizontal. Popularmente conhecido também por Oito para cima.

 

  •  Oito Deitado interno: visualizando o símbolo na altura do umbigo, em posição horizontal (como o desenho deitado) o centro da figura agora está no eixo, na posição da coluna. O desenho da figura é feito na extensão do quadril, de forma horizontal, no sentido de fora para dentro, sem permitir deslocamento no sentido vertical. Sua nomenclatura usa a expressão “interno” porque o movimento vem para dentro do corpo. Na América do Norte é conhecido como Oito grego.

 

  •  Oito Deitado externo: exatamente o mesmo conceito do Oito deitado interno, visualizando o símbolo na altura do umbigo, em posição horizontal, a diferença consiste em que o quadril irá movimentar-se de dentro para fora ou, do corpo para o exterior. Na América do Norte é conhecido como Oito americano.

 

  •  Oito de fogo: movimento que caiu em desuso com o passar dos anos e da modernização da dança, pertence as origens desta arte. Consiste no desenho consecutivo e ininterrupto dos quatro Oitos tradicionais da dança, nesta ordem: Egípcio, Deitado interno, Maia e externo.

 

  •  Oito Lateral: o símbolo do infinito está posicionado com o centro em apenas um dos quadris, lateralmente, na posição vertical, de forma perpendicular ao corpo.

oito lateral

 

  •  Oito lateral em pé: o símbolo do infinito está posicionado com o centro em apenas um dos quadris, lateralmente, na posição vertical, porém com a borda da figura virada para baixo, com formato parecido ao número oito. Também de forma perpendicular ao corpo este movimento é popularmente conhecido como Círculo de duas alturas.

 

  •  Oito solto: este movimento é uma junção do Oito egípcio com o Oito deitado interno. Inicia-se o desenho com o Oito egípcio e no meio, o desenho muda para o Oito deitado interno, ainda de um mesmo lado da figura. Os deslocamentos horizontais e verticais são permitidos e acontecem simultaneamente a um trabalho de pernas: cada lado completado do desenho do oito do infinito termina em um rond de jambe a terre en dehors.

 

  •  Oito em diagonal: este movimento é uma junção de meio Oito lateral com meio Oito deitado interno. A figura do oito do infinito fica com o centro no eixo da coluna e o desenho é realizado primeiro na lateral de um quadril (1/2 Oito lateral), e depois com o outro lado do quadril de forma horizontal (1/2 Oito deitado interno).

 

  •  Redondinho ou redondo pequeno: este movimento acontece dentro de seu eixo central, desenhando com o quadril um círculo cujo diâmetro máximo será o tamanho do próprio quadril. Uma outra forma referência é a união de quatro movimentos: elevação reta, contração pélvica, elevação reta do outro lado e por fim o relaxamento do quadril. Pode ser usado na base, na posição oriental, trabalhando o plié na base e em diferentes velocidades. Também possui sua versão em break, o Redondinho quebrado, quando as quatro etapas se realizam separadamente, de forma enérgica.

 

  •  Redondo ou redondo médio: não mais dentro do próprio eixo. Ainda com o mesmo conceito de desenho do Redondinho porém ampliado o diâmetro do círculo no quadril para os limites verticais da linha dos joelhos (relaxados).

 

  •  Redondão ou redondo grande: considerando que o redondo pequeno acontece dentro do eixo e o redondo na linha dos joelhos, o redondo grande trabalha o quadril na extremidade do corpo. O tronco deve ficar livre neste movimento, sendo projetado para o lado contrário do quadril, como um contrapeso, porém sem trabalhar. Por uma questão estética, não se abre demais as pernas, utilizando o recurso de troca de bases.

redondao

 

  •  Meio redondão: (metade do redondo médio). O movimento do Redondo, pela metade. Pela frente ou por trás. Pode-se também executar este movimento de um lado para o outro e com deslocamento para a lateral, usando a troca de base.

 

  •  Redondão com tronco: o mesmo princípio do Redondão, porém com trabalho de tronco, que vai do suplesse ao cambré de acordo com a flexibilidade da bailarina.

 

  •  Círculos deitados: com um único lado do quadril sendo trabalhado, este movimento desenha um círculo na horizontal. A diferença entre este movimento e os redondos é que este não trabalha dentro do eixo mas sim, deslocando-se na lateral do corpo. Considerado en dehors ou para fora quando em sentido horário e en dedans ou para dentro quando em sentido anti-horário.

 

  •  Meio círculo deitado: metade do movimento do círculo deitado. Para fora quando em sentido horário e para dentro quando em sentido antihorário.

 

  •  Círculos em pé: com um único lado do quadril sendo trabalhado, este movimento desenha um círculo completo na posição vertical, na lateral do quadril, perpendicular ao corpo.

 

  •  Círculo Ovalado: como o nome diz, o desenho de uma oval. Partido do eixo central (no umbigo) – não como nos círculos com um quadril apenas, nem como nos redondos com o quadril todo como um bloco – se desenha uma oval na posição horizontal. Popularmente conhecido como “ovinho”.

 

  •  Ondulação pélvica: unindo a contração pélvica e o posterior relaxamento dos músculos desta região com um leve desencaixe do quadril, cria-se uma ondulação que acontece apenas nesta região do corpo, sem se expandir para o abdômen ou o tronco.

 

  •  Ondulação pélvica reversa: o mesmo conceito da ondulação pélvica, porém com o movimento no sentido contrário.

 

Fonte: Glossário da Dança do Ventre, por Bailarina Suheil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>